A que deu a bunda, chorou e adorou


Enquanto ele estendia-se no sofá, ela montava nele numa foda frenética, movendo-se para cima e para baixo como se não tivesse peso. Era pequena e de cabelos lisos e curtos. Os seios pequenos e pontudos subiam e desciam no balanço do corpo. Ele segurava-a com firmeza pela bunda e a fazia rebolar em cima do pau, aumentando o prazer. A buceta não depilada, um triângulo negro úmido e sedoso, contraía-se a cada vez que o pau entrava todo e ela gemia ritmadamente.
- Ui, vem, vem vem!
Abraçou-o e começou a sussurrar no seu ouvido.
- Você ia gostar de botar na minha bundinha, hein? Ia gostar, ia? Vamos na minha bundinha, vamos? Você ia gostar, não ia? Vamos?
- Vamos, vamos sim.
Ele apertou os pequenos seios com as duas mãos, segurou-a pelos quadris enquanto ela inclinava-se para trás, com um gritinho.
- Rebola, vai, rebola – ele disse.
Ela rebolava em movimentos mais rápidos, sempre gemendo alto, e ele deu-lhe palmadas na bunda.
- Isso, rebola bastante, vai.
Ela contraía e relaxava com perícia, fazendo o pau quase sair da buceta, e então afundava novamente com um gritinho. Afinal, saiu e ergueu a bunda, levantando a perna. Ele segurou o pau na entrada do cuzinho e forçou lentamente.
- Cuzinho apertado…
Ela riu, nervosa.
- Ai, pára. Não vou aguentar.
Mas ele continuou como se não tivesse ouvido. O pau penetrou mais um pouco.
- AI! Devagar, devagar…
Ela segurava a própria bunda, como se para abri-la mais, e o pau ia penetrando lentamente. Afinal, ela soltou as mãos e começou a acomodar-se por si mesma em cima do pau.
- Mete na minha bundinha, mete.
Ainda por cima dele, ela começou a se mexer enquanto o pau ia entrando, até que ela apoiou-se para trás, com a mão no joelho dele e o pau ainda meio enterrado na bunda. Ela começou a se mexer até que gemeu mais alto.
- Vai gozar? – perguntou ele.
- Daqui a pouco – ela sussurrou.
E continuou cavalgando, agora com mais cautela para evitar que o pau saísse da bunda. À medida que a excitação ia aumentando, os gemidos voltaram a ficar mais e mais altos, ais e uis em rápida sucessão. Com as mãos em torno da bunda, ele dava palmadas enquanto apreciava o frenesi dela. AFinal, ela teve um orgasmo e jogou a cabeça pra trás, o pau todo enterrado na bunda, gemendo sem parar enquanto ela a segurava. Ela reduziu os movimentos, mexendo devagar, até que voltou a se movimentar rápido para os lados, sentando com força no pau até ter outro frenesi e cair sobre ele, rindo.
- Aí, peraí… Vou ter de te dar um banho.
- Não falei que você ia gostar?
Ela relaxou um pouco, ainda sentada no pau. Ele ergueu-se um pouco para abraçá-la e ela o empurrou para trás.
- Peraí, não tira – ela disse, ainda ofegante. – Vem.
Devagar, ela colocou os dois pés no sofá e voltou a foder, a cabeça abaixada.
- Tá vendo minha xota, tá? Minha buceta tá gozando aqui pra você, ó! Aiii!
E voltou a gritar, até que interrompeu os movimentos.
- Pára, pára!
Mexeu devagar e logo voltou ao bate-estaca, gemendo alto de novo. Parou e virou-se, ficando de costas para ele, que a segurou firme nos quadris enquanto ela dava gritinhos. Ela o puxou para o chão.
- Vem cá, vem.
Ainda engatados, ela ficou de quatro, segura pelos quadris. A bunda comprida e bem feita, com uma marca triangular de biquini, ficava ainda mais apetitosa. Com as mãos, ele começou a movê-la e ela abaixou a cabeça.
- Puta que pariu, não vou aguentar!
Ele continuou a foda na bunda, de joelhos por trás dela, e ela colocou a mão para trás.
- Pára, pára, pára! Espera! – E encostou a cabeça no tapete, arfando. – Ai, agora não.
Ele se movia mais lentamente. Ela esfregou as mãos na perna e respirou fundo.
- Agora vem.
Ele recomeçou a enfiar o pau sem muita força, com ritmo.
- Vai! – e ela gemeu ritmadamente, à medida que o pau ia entrando e saindo do cu. Deitou a cabeça de novo no sofá.
- Isso, vem comigo, vem! Aiiiiiiiiiii, não to aguentando! – Ergueu-se. – Não posso gozar mais! Ai! Ui!
E começou a chorar enquanto ele ia metendo com mais força, já próximo da gozada.
- Isso, vem, vem! – gritou, erguendo a cabeça e abaixando em seguida.
Ele a segurou pelos cabelos enquanto gozava nas suas costas. A porra esguichou e se espalhou enquanto ela choramingava. Afinal, ela se ergueu e os dois se abraçaram.
- Gostou, amor? – perguntou ele.
Ela fungou.
- Adorei…

2 comentários sobre “A que deu a bunda, chorou e adorou

  1. Ufaaaaaaaa
    Eu adorei……… aliás adoro!!!!!!!
    Quero hj uma foda gostosa dessas.
    Tava com saudades de vc.
    Delicioso como sempre.

    E eu continuo dando no trabalho……

    Bjos apertados e melados

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s